Pretendemos mostrar as diferentes formas de confecionar a abóbora na gastronomia desta região.
Em simultâneo, é nosso propósito divulgar as tradições e a cultura próprias desta vila, principalmente as caracteristícas "Papas de Abóbora de S. Sebastião", que se festejam no fim de semana imediatamente a seguir ao dia 20 de janeiro. Nove dias antes antes desta data realizam-se as novenas: as pessoas reúnem-se na capela e cantam orações próprias dedicadas ao Mártir S. Sebastião.

domingo, 21 de outubro de 2012

Tradição e cultura na Família Confradíaca



Foi com muito agrado que, as Confrades da Confraria dos Sabores da Abóbora receberam no passado sábado, 20 de outubro, alguns Confrades da Confraria Enogastronómica do Botaréu.

Depois de um desafio proposto pelo Grão-Mestre João Carlos Breda à Confraria dos Sabores da Abóbora para a criação de um cocktail. Foi lançada a ideia de um momento de convívio entre as duas Confrarias para o seu “batismo”.

Assim, o “ABOBORIX” foi batizado com toda a “pompa e circunstância” com um programa que também teve uma troca de tradições e cultura.
 

Após a receção aos nossos Amigos, rumamos ao “Moinho do Benjamim” também ele “noviço” da Confraria Enogastronómica do Botaréu, onde houve um pequeno lanche e no qual não faltou o “café das borras à moda antiga”.

Partimos, então, para uma visita guiada à Azenha da Barreta que, sendo já centenária, ainda se encontra em pleno funcionamento.
 
 

Surgiu na memória de muitas pessoas recordações da sua infância. Junto da lareira (por estas bandas chamado o BORRALHO) onde se punha noutros tempos os enchidos para o fumeiro e lugar onde se aqueciam do frio de inverno.
 

Fotografaram-se pequenos objetos que reavivaram estas memórias (a máquina a petróleo, o rádio, o lavatório, etc…etc…

Antes de voltar à sede da Confraria ainda houve tempo para uma visita ao Santuário de Santa Maria de Vagos.
 

Também aqui foram relatadas algumas das várias Lendas que se conhecem deste local tão visitado no Concelho de Vagos.

Já a noite se aproximava e algum frio se fazia sentir. Regressámos à nossa sede onde algumas iguarias confecionadas com abóbora, e não só, serviram de entradas para abrir o apetite a dois excelentes pratos típicos desta região – Caldeirada de Enguias e Rojões com papas de Abóbora.
 


Foi, então, durante o buffet de sobremesas que surgiu o tão esperado ABOBORIX, que todos provaram e aprovaram, ficando, assim, batizado pelo Grão-Mestre, João Carlos Breda e pela “alquimista” Teresa Carvalho com o consentimento da Chanceler Fátima Rito.
 


A noite foi longa e com tempo para apreciar os doces, o cocktail e o champanhe, enquanto se entoava o Hino da Confraria Anfitriã e algumas canções do repertório do Cancioneiro de Águeda.
 

Foi um fim de tarde muito agradável onde todos ficamos mais enriquecidos.

Obrigada Amigos da Confraria Enogastronómica do Botaréu!

E um muito obrigado também, a todas Confrades da Confraria dos Sabores da Abóbora que, tão prontamente, colaboraram para que este brilhante e enriquecedor evento fosse possível.

 

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

O TERCEIRO DIA ....


No dia 29 de Agosto, novamente nos reunimos,
 com a intenção de trazer as restantes abóboras...
 
 
A última carrada que teve espaço na Sede...

 
Outro carro para ajudar...

 
Irra! Que são pesadas!






Bela carrada!


Todas as ajudas são preciosas...

 
Esta é de boa qualidade...

 
Um... dois..três... Salta!

 
Já está a ficar bem composto mais este espaço...

 
Força! ...

 
Esta qualidade é diferente...

 
A última carrada do dia...


Que vamos fazer a tanats abóboras???


e ... ainda não vieram todas! Temos que combinar outro dia!

Mas, no final, tinhamos na nossa Sede um requintado jantar...






Como não podia faltar...
Sobremesa: "Requeijão com Doce de Abóbora"


Gulosas!!!!!



 

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

A COLHEITA DAS ABÓBORAS

 
Depois de termos publicado a nossa sementeira e posteriomente
 a  produção de abóboras e estas ainda no terreno.
Agora, queremos mostrar o resultado ...
Foram já três os dias, em que as Confreiras
se reuniram para fazer a recolha.
Queremos, também, aproveitar para agradecer aos Sozenses,
que a nós se juntaram, para nos ajudar!


Logo no segundo dia em que fomos buscar as abóboras..
 

... deparamo-nos com uma abóbora muito pesada...


 
Ó Sónia está é pesada!!



No final, uma bela merenda nos esperava...



 

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Festival Romaria Milagre d’Urgueira




A Confraria dos Sabores da Abóbora participou no Festival Romaria Milagre d’Urgueira, em honra de Nossa Senhora da Guia, a convite da Confraria Enogastronómica Sabores do Botaréu.


A nossa Confraria, apenas esteve presente a partir de sábado, dia 18, e juntou-se a algumas confreiras que subiram a Alcobar, a meio a tarde, para a preparação das caçoilas de Alampantana que, mais tarde, seriam metidas no forno comunitário para servir de jantar no fim da procissão.
O momento mais significativo da participação da Confraria dos Sabores da Abóbora, no Festival Romaria "Milagre d'Urgueira", foi sem dúvida a nossa integração na Procissão das Velas alumiando o caminho à Nª Srª da Guia, desde a Urgueira até à ermida no alto da Junqueira, em conjunto com os Confrades da Confraria Enogastronómica Sabores do Botaréu e d’Os Serranos, promotores deste evento, e Confrarias do Cabrito e Serra do Caramulo, juntamente com o povo residente no lugar de Urgueira e de Macieira de Alcoba.





O resto da noite correu em alegre convívio à volta da Alampantana e de um suculento tacho de papas de abóbora oferta da nossa Confraria e um Licor de Abóbora, que ajudou a aquecer a noite.


No domingo, dia 19, depois da agradável receção feita pelo Grão-Mestre da Confraria Enogastronómica Sabores do Botaréu a outras confrarias e elementos convidados, dirigimo-nos, de novo, à ermida no alto da Junqueira, onde se realizou a Missa Campal, presidida pelo Monsenhor João Gaspar.

Após a celebração organizou-se a Procissão com a imagem da Nª Srª. da Guia à volta do forno comunitário.
Neste dia, outro ponto alto desta Romaria, foram os momentos em que “O Romeiro” entrou e saiu dentro do forno comunitário, o qual começou a ser aquecido na quinta-feira, dia 16, para colocar e retirar a broa, que mais tarde foi distribuída por todos os romeiros presentes. 
O Romeiro prepara-se para entrar no forno.
O Romeiro coloca a broa dentro do forno.
Romeiro dentro do forno a retirar a broa! 

Broa já cozida para ser distribuida por todos os presentes.
Durante a tarde, sete Ranchos Folclóricos, vindos de diversos pontos do país mostraram o que melhor se canta e dança nas suas terras, em alegre convívio com toda a população presente.



Os elementos dos Ranchos Folclóricos convidam
 os presentes a dançar com eles.


Imagem geral do recinto da Romaria